Salmão ao molho de maracujá

por Tatiana Zanardi
0 Comentário
Salmão ao molho de maracujá

Salmão ao molho de maracujá

Nossa, vocês moram em um barco e comem salmão ao molho de maracujá? Por que não peixe fresco? Boa pergunta! Você sabia que nem sempre a opção de peixe fresco… Imprima a receita
Serve: 2 Tempo total de preparo: Tempo de forno ou fogão:
Avaliação 5.0/5
( 2 Notas )

Ingredientes

  • 2 filés de salmão grandes, sem pele, de origem sustentável
  • 1 xícara de suco de maracujá azedo ou concentrado orgânico
  • suco de limão (1/2) pequeno
  • 1 xícara de creme de leite fresco ou em caixa
  • 1/2 cebola pequena
  • 1 colher sopa de alecrim desidratado ou 1 ramalhete de alecrim fresco
  • Sal a gosto
  • 1 colher de sopa de azeite de oliva extra virgem
  • 1/2 colher de café de manteiga

Modo de Preparo

Tempere os filés de salmão com sal a gosto e o alecrim. Deixe reservado por 10 minutos.

Cubra a assadeira com uma folha de papel alumínio  e acomode os filés de salmão em uma metade. Cubra-os com a outra metade. Leve ao forno pre-aquecido, baixo, por 20 a 30 minutos e vá observando o ponto do salmão. Assim que estiver cozido (ou um pouco cru por dentro, se for de sua preferência), desligue o forno. Deve ficar macio e suculento. Se passar do ponto ficará seco, o que prejudica o sabor e a digestão.

Molho de maracujá

Corte a cebola em pedaços finos e pequenos.

Aqueça o azeite e a manteiga e acrescente a cebola. Refogue até ficar bem macia, a ponto de começar a sapecar.

Acrescente o suco do maracujá, e se preferir o molho mais citrico (ou o maracujá for doce) acrescente o limão. Deixe reduzir por 05 minutos e acrescente o creme de leite. Coloque uma pitada de sal e veja se está a gosto.

Desligue o molho antes de levantar fervura.

Coloque o filé no prato, regue com o molho de maracujá e sirva quente.

 

 

Nossa, vocês moram em um barco e comem salmão ao molho de maracujá? Por que não peixe fresco?

Boa pergunta!

Você sabia que nem sempre a opção de peixe fresco é saudável e sustentável? Veja o nosso caso. Muitas vezes estamos em ilhas que são parques marinhos,  áreas preservadas onde não é permitido nenhum tipo de pesca ou coleta de vida marinha. Por isso adoramos esses lugares, pois são verdadeiros aquários, perfeitos para mergulho livre ou com equipamento.

Além disso em muitas partes do Caribe os peixes de recife transmitem uma doença chamada cigaterra. Outras vezes as espécies estão ameaçadas de extinção próxima (como a garoupa e o tubarão), ou estão em período de defeso (procriação). Vale lembrar ainda que tubarão e cação são exatamente a mesma coisa. E pior, estão sofrendo ameaça no mundo todo.

Por estes motivos, um salmão de origem sustentável é uma ótima opção, além de ser saudável!

4 dicas simples para escolher um salmão sustentável

Rico em ômega 3 e fácil de ser encontrado em mercados e peixarias, tem um sabor suave e textura macia. Mas deve ser observada sua origem, ou seja, de onde ele veio! Basicamente pode ser de cativeiro ou selvagem.

  1. Se for de cativeiro, veja se ele é certificado. Para isso observe na embalagem se tem um selo da ASC (Aquaculture StewardShip Council) ou da BAP (Best Aquaculture Practices). Estes selos garantem que uma série de regras e padrões foram seguidos na criação do salmão. Isso tanto no que diz respeito ao respeito ao meio ambiente, assim como na qualidade do pescado para garantir a saúde do consumidor.
    Salmão ao molho de maracujá - certificações

    Selos de Certificação da ASC e da MSC

     

    Salmão ao molho de maracujá - selo de certificação da BAP

    Selo de certificação da BAP

     

  2. Se for selvagem, também deve ser certificado. Para isso observe se tem o selo da MSC (Marine StewardShip Council) ou se é o selvagem do Alasca. Em ambos os casos também foram seguidos padrões para garantir uma pesca sustentável, que respeita a quantidade dos estoques pesqueiros.

    Salmão ao molho de maracujá

    Salmão do Alaska, origem certificada pelo Seafood Alaska

  3. Uma terceira forma de verificar a origem do salmão, é perguntar para o fornecedor seu tipo e de onde ele veio. Com base nestas informações entrar no aplicativo do Seafood Watch, produzido pelo Aquário de Monterey, que diz se o pescado é sustentável ou não. Segundo o Seafood Watch existem 8 tipos ótimos para consumo, 43 satisfatórios e 15 que devem ser evitados.

    Salmão ao molho de maracujá - Seafood Watch

    Recomendações do Seafood Watch para Salmão

  4. A quarta maneira é consultando o Guia de Consumo Responsável de Pescado da WWF, que traz também as recomendações com sinal verde, amarelo e vermelho. Para facilitar sua vida segue as recomendações de salmão abaixo:

Salmão ao molho de maracujá - WWF

Prepare agora o melhor salmão ao molho de maracujá!

Garantindo que o salmão que está comprando é de origem sustentável, mãos a obra. Vamos preparar um prato delicioso que faz bem para você e para o planeta!!

Além disso esta receita é muito simples, gostosa e faz o maior sucesso.

Você pode usar polpa de maracujá fresco  ou suco de maracujá concentrado orgânico. E se for muito doce, sugiro acrescentar um pouco de suco de limão. Tempere o salmão previamente com sal e alecrim a gosto. Coloque o peixe  em uma assadeira com papel alumínio e deixe em fogo médio, mas não fogo alto, para que ele cozinhe mas não passe do ponto.

Assista aqui ao vídeo da receita completa preparada com carinho para você!

 

 

Você também pode gostar

Deixe um comentário